A Secretaria de Cartéis é um dos lugares de garantia da Escola de Lacan. Tem por função provocar os membros a formarem cartéis; acolher os projetos de estudo e inscrições dos mesmos; convocar os cartéis ao trabalho, garantindo que sua produção possa causar efeitos no âmbito geral da Escola.

E qual a função dos cartéis numa escola de Psicanálise?

Cabe ressaltar que essa é uma proposta de Lacan – Cartéis. Lugar privilegiado pela escola para a elaboração da teoria psicanalítica e a formação do analista. Assim definido na Ata de Fundação:

Aqueles que vierem a esta Escola se comprometerão a realizar uma tarefa submetida a um controle interno e externo (…) para a execução desse trabalho adotaremos o princípio de uma elaboração baseada num pequeno grupo; cada um deles (e temos um nome para designar esses grupos) será composto por três pessoas, no mínimo, e por cinco no máximo – quatro é a medida certa. MAIS UMA, encarregada da seleção, discussão e do destino reservado ao trabalho de cada um. [……]

Se o lugar dos cartéis é o de ser um espaço privilegiado dentro da escola para os trabalhadores decididos realizarem sua tarefa, cabe situar então que lugar compete à Secretaria de Cartéis.

Será a eles (cartéis) assegurado, em contrapartida, que nada se poupará para que tudo o que façam de valioso tenha a repercussão que merecer no lugar que lhe convenha.

Dar destino justo aos efeitos e produtos dos cartéis, assegurar suas ressonâncias no âmbito da escola. Cuidar para que o ensino e a transmissão da psicanálise possam sempre ser reinventados, mas sem perder a marca da originalidade Freudiana: o Inconsciente.

É importante marcar ainda que, a partir da última assembléia realizada, o funcionamento dessa secretaria sofreu uma mudança passando a funcionar com apenas um secretário e não mais com quatro membros formando uma secretaria. Também decidimos que ficaria a cargo desse secretário a escolha de mais membros para compor esse lugar.

Outra mudança significativa foi a proposta de estudo da Secretaria de Cartéis junto a Secretaria do Passe e a Coordenação da Sessão Clínica  do tema Nomeação: fica a cargo desses três lugares acompanhar os percursos daqueles que freqüentam nossa escola, dos analistas praticantes e recolher ao provas que cada um pode dar de sua relação com a  causa analítica e o vigor do desejo do analista. Tomando como referência a máxima de Lacan de que “O analista só se autoriza de si mesmo… e de alguns outros!”, apostamos funcionar como esses alguns outros cuidando das nomeações de AME`s da escola.

E, ainda, além de reuniões para a escuta de questões comuns a esses três lugares, decidimos – seguindo a proposta de ensino e funcionamento proposta para a escola na assembléia – que essa interlocução funcione seguindo a lógica que rege os cartéis. Teremos um funcionamento em cartel cujo tema central é Nomeação.

Pensando o cartel como a célula-mínima da escola apostamos que o nosso próprio funcionamento possa servir de elemento provocador à interlocução com os demais cartéis e membros da Escola.

 

 

 

 

RELAÇÃO DE CARTÉIS INSCRITOS NA ESCOLA

 

 

Estudo sobre “A Angustia” no Seminário X

Maria Cristina Boller de Jesus Cantarino (+1)

Maria de Fatima Fachetti de Matos

Vanuza Seraphim

 

A clínica das psicoses na atualidade

Henrique Torres Neto

Lígia Maria Quintanilha Merhi

Maria de Lourdes Andrade (+1)

Alcione da Penha Vargiu Vasconcellos

 

A Angustia não é sem Objeto

Christiany Maria Basseti Cavalcante (+1)
Nélia Maria Laurindo Zandonadi

Vania Tardin de Castro

 

Cartel do Tempo

Ana Lucia Carneiro da Cunha (+1)

Dilceia Marta Carminati Lopes

Liliane Brioschi

Luciana Bowen De Carvalho

 

“En corps”

Raquel Fabris Moscon

Vânia Tardin de Castro

Vanda Figueiredo Ferreira (+1)

 

“A Função do Cartel na Formação do Psicanalista”

Cristiane Bassetti Cavalcante

Rosanea Freitas das Neves

Vera Saleme Colnago (+1)

 

“Sobre o uso de Drogas e a Psicanálise”

Jéssica Barcelos Ferrari

Paulo Cézar Carleti

Marcela Serrat Freire (+1)

Rosanea Freitas das Neves